Férias

Blog em manutenção


Equipe BlogPox em férias até 20/10/2014.



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 23h04
[] [envie esta mensagem] []



Nossa Senhora

7ª Festa de N. Sra. Aparecida

Dias 10, 11 e 12 de outubro



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 22h27
[] [envie esta mensagem] []



Denúncia

SOS LAGOA

No dia 17/09/2014 a Comissão Independente Acorda Poxoréu fez imagens do Balneário Lagoa, com a finalidade de mostrar aos filhos distantes de Poxoréu a atual situação do nosso querido Balneário e como se encontram as obras, ou seja, paralisadas há mais de 07 anos, conforme divulgado no Facebook.


Hoje, passados 20 dias do registro fotográfico, nos deparamos com uma situação de causar indignação e revolta, um caminhão baú encostou e RETIROU TODA A ESTRUTURA QUE COBRIA A ÁREA CONSTRUÍDA, tendo sido levada para uma empresa localizada no Distrito do Alto Coité, onde dizem funcionar uma fábrica de piscinas.


Queremos e vamos cobrar uma explicação, por que foi arrancado e levado para uma empresa particular e a que título???? E o pior, sem qualquer justificativa à população.

O Balneário Lagoa pertence ao povo de Poxoréu, é Bem Público, nos termos da Constituição Federal e do Código Civil Brasileiro.

Aguardamos uma explicação das nossas autoridades sobre qual foi a destinação do bem público e a que título.

É triste, muito triste ver o Balneário Lagoa nesta situação, e agora temos a sensação de que estão chutando "cachorro morto", chupando da laranja até "o bagaço".

O BALNEÁRIO LAGOA TEM DONO: O POVO DE POXORÉU. MAIS AMOR, POR FAVOR!!!

Iremos protocolar denúncia junto ao Ministério Público para as providências cabíveis e apuração da responsabilidade dos envolvidos.

(Comissão Independente Acorda Poxoréu)



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 22h34
[] [envie esta mensagem] []



Eleição em Poxoréu

 

Resultado da Votação em Poxoréu

PRESIDENTE 

Dilma Rousseff   PT - 4.356 votos

Aécio Neves PSDB - 2.704 votos

Marina Silva PSB - 1.211 votos

 

GOVERNADOR

Pedro Taques  PDT  - 4.039 votos

Lúdio Cabra PT - 2.578 votos

Janete Riva PSD - 1.220 votos

 

SENADOR

Wellington Fagundes  PR - 4.227 votos

Rogério Salles PSDB -2.366 votos

Rui Prado PSD - 752 votos

 

DEPUTADO FEDERAL

J. Barreto PR  - 1.568

Carlos Bezerra PMDB  - 1.011

Adilton Sachetti PSB - 946

Chico Daltro PSD  - 848

Fabio Garcia PSB -  566

Professor Victório Galli PSC - 383

Valtenir Pereira PROS - 266

José Augusto Curvo - Tampinha PDT  - 207

Vereador Dico PROS  - 195

Eliene Lima PSD  -  125

Murilo Domingos PR  - 103

Procurador Mauro PSOL  - 82

Cabo Juliano Rabelo PSB  - 69

Ezequiel Fonseca PP - 61

Isabel Silveira PDT  -  60

Nilson Leitão PSDB  - 52


DEPUTADO ESTADUAL

Zeca Viana PDT - 1.589

Nininho PR - 1.218

Sebastião Rezende PR -  763

Janaina Riva PSD - 472

Gilmar Fabris PSD  -  388

Luizinho Magalhães PSD  - 376

Mauro Savi PR - 333

Zé Carlos do Pátio SD - 325

Romoaldo Junior PMDB - 319

Ibrahim Zaher PSD   - 178

Renivaldo Nascimento PDT  - 160

Botelho PSB - 117

Max Russi PSB - 112

Dr. Kleber Amorim PT - 82

Rodrigo da Zaeli PSDB  - 81

Deucimar PP  -  78

Coronel Taborelli PV - 72

Baiano Filho PMDB - 70

 

Clique aqui para ver o resultado da votação em Mato Grosso

Digite Poxoréu no campo "Filtrar por Cidade" para obter o resultado da votação no Município.



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 22h34
[] [envie esta mensagem] []



Nota de Esclarecimento

Da situação do Balneário Lagoa

Jane Maria Sanchez Lopes Rocha

Jean-Louis Van der Stock

Vimos pela presente prestar esclarecimentos à Sociedade Poxoreense e aos Nobres Vereadores sobre o estado das obras de reforma da nossa Lagoa. O assunto suscita muita preocupação na população.

Em primeiro lugar, a administração Jane também não aprova o projeto na forma em que ele foi concebido. A escolha de um “piscinão” esta muito equivocada ecológica e funcionalmente, principalmente quando descobrimos que funcionará com um circuito fechado de bombeamento e filtragem da água. Mas é um projeto aprovado e em execução não podemos mais questioná-lo  Apenas nos cabe levá-lo a bom termo.

Concordamos com os autores do pedido de instauração de inquérito civil quando falam da “Indignação da sociedade que perdeu um local aprazível, que podia ser utilizado pelas famílias”, ou ainda que “O projeto, é de duvidosa sustentabilidade ambiental.... com prejuízo ... às nascentes existentes no local”   assim como concordamos com várias outras ponderações dessa comissão de cidadãos. Mas temos que dizer que estão equivocados em algumas afirmações, apesar de confirmamos que os números adiantados por eles estão globalmente corretos.

Todavia, estranhamos que essa tomada de consciência acontece , ...  por acaso, ... na reta final da campanha eleitoral.  Eventualmente alguém poderia explicar que a questão não é pertinente ao pleito, a qual afirmação responderíamos: ...  será mesmo ???

No entanto a atual administração repudia tanto quanto a população o descalabro que estava acontecendo na gestão da obra da Lagoa, e ainda,  queremos lembrar que ocorreu ali um crime ecológico mais grave ainda: a garimpagem escandalosa que aconteceu na cara da população, sem que, apesar da publicação dos fatos, tenha sido acionado o ministério público ou tomada alguma medida corretiva.

A obra da lagoa faz parte do bojo do que já foi chamado de “herança maldita”. Esta é provavelmente a mais visível, mas não a pior das malogradas empreitadas de responsabilidade de administrações anteriores. Todas se encontram na mesma situação, com cronograma extremamente atrasado e grande incoerência administrativa quando não financeira.  

Se a obra do Balneário lagoa se arraste há 7 anos, é culpa da má gestão e da irresponsabilidade dos proprietários dessa inconsistente empresa “Sahaddai”. 

Quando uma vencedora da licitação – no caso a Shaddai - é responsável por uma obra, ela é independente para a gestão da mesma, e presta conta diretamente para a financiadora  -  a Caixa Econômica Federal . A medida do adiantamento dos trabalhos, a empresa solicita uma “medição” que é efetuada por um engenheiro civil fiscalizador nomeado pela Caixa e que a ela se reporta.

Sendo essa medição dos serviços executados aprovada pelo fiscalizador, a Caixa transmite à Prefeitura o valor estabelecido, o qual o município deve imediatamente e integralmente repassar a firma contratada. 

A única real intervenção do Poder Executivo é o acompanhamento de praxe da medição pelo engenheiro civil da prefeitura, como Fiscal Responsável.

A situação da obra preocupa a administração da Prefeita desde o começo de 2013, quando assumiu a gestão municipal. Mas, a empresa Shaddai” é o legitimo contratado, Assim não é possível que a prefeitura intervenha diretamente, apenas podendo pressionar. Infelizmente, somente pode esperar a boa vontade ou, mais corretamente, o bom senso empresarial do empreiteiro.

Analisando as opções judiciais: Para que a prefeitura possa assumir a obra, ela deveria processar a empresa e cassar seu contrato. Sabemos da morosidade desse tipo de ações, que podem demorar decênios.  Isto seria a pior opção, pois ficaríamos com a obra parada, com um processo judicial complicado  e uma contenda política de bastidores muito favorável aos que têm interesse em atrasar a decisão. Sobram então duas possibilidades: ou a empresa termina a obra, ou desiste dela e a entrega de volta a prefeitura.

 O engenheiro responsável pela “Shaddai“ Gilmar Gemin Cipriano sinalizou no inicio de 2013 que iria terminar o mais rapidamente possível as construções, pois estava em ordem com Caixa, os valores recebidos estariam condizentes com o adiantamento do serviço em porcentagem. Seria assim,  ‘sadia’  a situação financeira e a continuação da obra seria a melhor solução para todos.

Mas as obras andaram extremamente lentas, sendo que a ultima e única medição foi paga em 20 de agosto 2013 a quantia de 144 mil reais. Completando 62,93 % do orçamento total de R$ 1.267.500 relativos à fase 1 (que é composta principalmente pela piscina maior) e também em 20 de agosto 2013 a quantia de 249 mil reais completando  41,21 % do orçamento total de R$ 1.072.500 relativos à fase 2 (que é composta da piscina menor e das quadras de esporte). Neste exato momento, a obra parou de vez! Ficando apenas alguns operários parados no canteiro;

Frente a essa situação, para estabelecer a realidade dos trabalhos, avaliar a exatidão das medições e definir o que ainda sobrava para ser executado, a Prefeita encomendou um laudo técnico independente de um engenheiro civil especializado em avaliação imobiliárias (ver laudos 1e 2 em anexo).

 Após o feriado de fim de ano, os operários não retornaram ao serviço, e a crise tornou-se aguda. O Engenheiro da Shaddai pediu prazo, informando encontrar grandes dificuldades em comprar o material de acabamento, principalmente por causa da defasagem dos preços entre o momento da licitação e o da compra (seis anos fazem muita diferença).  Ele reiterou por várias vezes essas alegações, até finalmente sinalizar que ele não conseguiria cumprir com o contrato.

Considerou-se então a desistência da empresa Shaddai, a formalização dessa desistência foi postergada ou explicando melhor “empurrada de barriga”,  pelos supostos efetivos mandantes na empresa até que em 12 de junho 2014, o engenheiro Gilmar Cipriano comunicasse pessoalmente sua desistência.

A partir desse momento da desistência da Shaddai, o objeto do convênio, ou seja o projeto e o orçamento  podem ser revistos para serem adaptados a uma nova  situação. O departamento técnico esta reavaliando o projeto, retirando do mesmo algumas partes que são julgadas dispensáveis, como por exemplo os “toboáguas” que são difíceis de ser executados, muito caros e especialmente dispendiosos para serem operacionalizados, pois necessitam de bombas poderosas, e sobretudo de pessoal especializado, no mínimo dois por aparelho, além de salva-vida. Isto oneraria muito a gestão do balneário com implementos cuja ‘moda’ já passou. Paralelamente seriam revisados os tipos de materiais de acabamento. O objetivo desses remanejamentos é de conseguir manter o valor do orçamento original, para não necessitarmos de aditivos para terminar a obra.

O caminho no momento é de: formalizar o distrato da empresa Shaddai, rever o projeto, refazer as planilhas de custo, reapresentar a documentação à Caixa, e após a aprovação, licitar novamente a obra. Não é fácil, mas é o caminho para sair dessa “sinuca” assim poderemos devolver à população de Poxoréu o seu melhor lugar de lazer, fechado há muito tempo.

Ainda há problemas a serem superados quanto à degradação da obra por causa dos atrasos;  falhas na manta asfáltica e sua proteção mecânica (já descritas no laudo de avaliação) estão piorando pela longa exposição ao sol e precisarão serem recuperadas, outros custos oriundo da estagnação dos serviços assim como algumas discrepâncias nas medições terão que ser ressarcidas ao município. Notificações desses fatos foram encaminhadas á Caixa Econômica federal, ao Responsável Técnico e aos Autores de Projeto para tomar as disposições cabíveis.

Em 29 de setembro 2014 recebemos a solicitação de rescisão dos contratos de Reestruturação e Ampliação do Balneário lagoa (etapas 1 e 2)

Quanto à terceira fase, cujo valor de convenio é de 3 milhões 592 mil reais, esclarecemos que os projetos e as planilhas de custo foram aprovados pela Caixa no inicio do ano. As obras não começaram ainda porque a primeira licitação foi anulada no momento de expedir a ordem de serviço por erros documentais da empreiteira vencedora. A obra é de responsabilidade do Estado de Mato Grosso, e a nova licitação acontecera dia 17 de outubro próximo. O projeto contempla a construção da parte social do Balneário Lagoa, com um auditório para convenções, um restaurante completo, cercas, guaritas, arruamento, equipamentos de lazer e estacionamento. A prefeitura ainda tem nos seus projetos futuros, a construção de uma avenida amplamente arborizada, dando acesso ao balneário diretamente da MT 130.

Jane Maria Sanchez Lopes Rocha - Prefeita de Poxoréu; Jean-Louis Van der Stock- Secretário de Planejamento



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 22h26
[] [envie esta mensagem] []



Projeto “Ressignificando o espaço escolar

A PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO

Prof. Izaias Resplandes de Sousa

A EE. PE. CÉSAR ALBISETTI está realizando, dentro da programação do Projeto “Ressignificando o espaço escolar”, uma série de seminários acerca de temas do cotidiano dos seus alunos, tais como, as diversidades gerais e de gênero, a política e a cidadania, as DSTs e as drogas e a preservação do patrimônio público.

Para motivação da reflexão, sobre esse tema, a escola convidou os professores Luiz Sérgio e Antenor Ferreira. Logo após a palestra, os alunos do grupo responsável pela temática, formularam dez propostas

 A seguir, publicamos a síntese das propostas dos alunos referente a essa última temática supracitada.

Ei-las:

1 - Criar um grupo, formado por alunos, para fazer divulgação externa acerca da “preservação do patrimônio público”;

2 - Criar um Departamento no Grêmio Estudantil com o objetivo de promover a preservação do patrimônio público e apoiar o trabalho de ONGS que realizam essa missão;

3 – Divulgar, através dos meios de comunicação da escola e em outros meios sociais, quando houver disponibilidade;

4 – Denunciar às autoridades, os vândalos que atentarem contra o patrimônio público, para a apuração de responsabilidade e aplicação das penas cabíveis;

5 - Estabelecer penalidades rigorosas para quem cometa atos infracionais contra o patrimônio público;

6 - Fazer a doação de livros usados, que já não sirvam mais para o uso escolar, às empresas que trabalham com materiais recicláveis;

7 - Fazer uma maior conscientização para a população em geral, através das mídias sociais, sobre a importância da preservação do patrimônio público;

8 - Fazer uma ressignificação constante do espaço escolar através de mais investimentos;

9 – Atribuir a higienização das carteiras e mesas escolares aos próprios alunos;

10 – Implantar o monitoramento eletrônico no interior da escola e em locais públicos da cidade, a fim de inibir possíveis infrações ao patrimônio público, a fim de facilitar a aplicação de punição aos infratores;

11 - Implantar lixeiras seletivas para a reciclagem;

12 - Incentivar a comunidade a preservar o patrimônio público;

13 - Fazer palestras e divulgar as consequências para as pessoas que praticarem a depredação do patrimônio público;

14 – Punir com mais severidade os atos infracionais previstos nas leis;

15 - Realizar uma campanha de reflorestamento na área externa da escola;

16 - Promover atividades que possam fortalecer a consciência de preservação do patrimônio público;

17 - Personalizar as carteiras escolares;

18 – Usar de maior rigor na aplicação das punições previstas no Regimento Interno para a prática dos atos infracionais previsto nas leis;

19 - Preservar as carteiras escolares, mantendo-as em condições de uso;

 20 - Preservar o transporte público para que o serviço não seja interrompido;

21 - Realizar palestras de conscientização sobre a importância da preservação do patrimônio público;

22 - Realizar mutirão de limpeza na escola, a cada dois meses, para preservação do patrimônio público escolar;

23 - Realizar projetos que enfatizem a importância da preservação do patrimônio público para a sociedade em geral;

24 - Reivindicar ao poder público medidas de conservação do patrimônio público da cidade;

 25 - Realizar palestras e projetos sobre a “preservação do patrimônio público”;

26 - Realizar campanhas de conscientização através de cartazes e baners;

27 - Realizar a alimentação escolar apenas no refeitório;

29 - Realizar palestras e projetos sobre a temática, incentivando os alunos para uma maior participação nesses eventos;

30 - Tornar mais rigorosa a responsabilidade dos alunos em relação ao patrimônio público;

31 - Zelar pelo efetivo cumprimento das leis, punindo os infratores, com o rigor nelas estabelecido.

Essas trinta e uma propostas demonstram a seriedade com que o assunto foi tratado nessa série de seminários. É o estudante demonstrando que sabe o que está acontecendo e que busca formas de equacionar e resolver os problemas sociais.

É quase certo que todas as propostas elaboradas pelo corpo discente serão examinadas com todo o rigor gramatical, no sentido de incluí-las nas curriculares da escola. Além disso, tais propostas serão divulgadas através dos meios de comunicação que se dispuserem a oferecer guarida para a devida publicação das mesmas.



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 20h32
[] [envie esta mensagem] []



RESSIGNIFICANDO O ESPAÇO ESCOLAR

ALUNOS DE POXORÉU REIVINDICAM EM FAVOR DAS DIVERSIDADES GERAIS E DE GÊNERO

Prof. Izaias Resplandes

A EE. PE. CÉSAR ALBISETTI, Poxoréu, MT, desde o dia 22 de setembro de 2014 vem desenvolvendo o projeto “RESSIGNIFICANDO O ESPAÇO ESCOLAR”. Dentro das ações previstas constou a realização de diversos seminários sobre temas da atualidade.

Para um melhor aproveitamento dos alunos nos seminários, estes foram distribuídos em sete grupos, nos quais além de debater a temática, deveriam apresentar à Plenária Final, no mínimo dez propostas cada um. Dois grupos debateram “AS DIVERSIDADES GERAIS E DE GÊNERO”, sendo um do período matutino e outro do período vespertino.

A fim de motivar os debates e facilitar a elaboração das propostas, o Prof. Urano Lopes, que ministra a disciplina “Artes” na EE. PE. CÉSAR foi convidado para fazer uma breve palestra aos dois grupos.

Como resultado dos trabalhos realizados, foram elaboradas as seguintes propostas de intervenção:

ROL DE PROPOSTAS ELABORADAS NA SESSÃO PLENÁRIA FINAL DOS SEMINÁRIOS PELO CORPO DISCENTE DA EE PE CÉSAR ALBISETTI – POXORÉU/MT SOBRE AS DIVERSIDADES GERAIS E A DE GÊNERO

01 - Alertar a população para os altos índices de preconceito racial;

02 - Assegurar o respeito às pessoas que tenham interesse na mudança de sexo.

03 – Auxiliar as pessoas a se libertarem da opressão social e demonstrar ser o que realmente são.

04 - Cobrar das autoridades uma ação mais rigorosa contra as pessoas que cometem preconceito social;

05 - Colocar em prática as ações discutidas no projeto “Ressignificando o espaço escolar”, por meio de atos públicos;

06 - Conscientizar as pessoas de modo geral sobre os malefícios psicológicos causados às vítimas do preconceito social;

07 - Divulgar no jornal da escola as ações propostas sobre os temas discutidos no projeto “RESSIGNIFICANDO O ESPAÇO ESCOLAR” 2014;

08 - Elaborar projetos na escola sobre a cultura afro-brasileira;

09 - Elaborar e executar propostas de trabalho em relação à cor e as deficiências.

10 - Fazer manifestação através dos meios de comunicação sobre a diversidade de gênero;

11 - Levar ao conhecimento dos pais as informações sobre as diversidades, adquiridas no projeto “Ressignificando o espaço escolar”, visando clarear seus pensamentos sobre o tema;

12 - Mostrar às pessoas que, apesar de sua cor, ninguém deixa de ser melhor ou pior que outrem pois todos têm a mesma potencialidade para fazer coisas boas ou ruins;

13 - Mostrar, através da ação educativa conscientizadora, que todos os seres humanos são iguais, mesmo com toda a diversidade racial, social, cultural e de orientação sexual.

14 - Não escolher livros didáticos que tratam as diversidades de forma preconceituosa e discriminatória.

15 - Penalizar as pessoas que praticam atos discriminatórios raciais, sexuais ou sociais dentro das dependências da escola;

16 - Promover ações que motivem a reflexão individual e coletiva, para que haja mudanças nessas práticas.

17 - Promover atividades culturais abordando a diversidade de gênero.

18 - Promover campanhas que discutam a diversidade na escola;

 19 - Promover manifestações para que os direitos dos homossexuais sejam mais bem atendidos.

20 - Promover palestras dentro e fora do ambiente escolar sobre as pessoas homofóbicas;

21 - Promover trabalhos sobre a diversidade religiosa.

22 - Promover atos públicos para conscientizar a população sobre o mau uso dos termos pejorativos usados em relação aos homossexuais;

23 - Realizar campanhas conscientizadoras e palestras sobre a diversidade voltadas para a sociedade em geral.

24 - Realizar na Escola o “Dia D” da Diversidade de Gênero.

25 - Sensibilizar as pessoas por meio das redes sociais sobre a violência causada aos negros, homossexuais e LGBTs (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros);

26 - Trabalhar a diversidade de gênero com a família.

27 - Usar os meios de comunicação, principalmente o Jornal da Escola, para informar a população sobre as diferenças humanas.

As propostas elaboradas certamente serão analisadas pelo colegiado da escola, visando incluir aquelas que estão dentro da competência da unidade escolar em seu Projeto Político Pedagógico, como foi o desejo dos alunos. Quanto às demais, serão publicadas nos meios de comunicação utilizados pela escola, visando levá-las, dessa forma, ao conhecimento dos responsáveis diretos pela sua execução, ou ao conhecimento das autoridades mediadoras das intervenções sociais.



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 21h09
[] [envie esta mensagem] []



América campeão!

Final do Campeonato Municipal

Torcida americada

No tarde deste domingo, dia 28 de setembro, após empatar em 1x1 no tempo regulamentar, em emocionante partida no Estádio Diamante Verde, a equipe do América Futebol Clube venceu o Cruzeiro Esporte Clube pelo placar de 5x4 nos pênaltis, conquistando o Campeonato Municipal de Futebol de 2014, promovido pela Liga Esportiva de Poxoréu (LEP), com apoio da Federação Mato-grossense de Futebol.

Cruzeiro x América no final da Liga

Segundo o professor Ademar Silva, o festejado Mafra, o coordenador de esportes da secretaria municipal de educação de Poxoréu e presidente da LEP, o campeonato 2014 reuniu um bom público no Diamante Verde, oportunidade em que os atletas apresentaram futebol de excelente nível para a categoria amadora.

O professor Ademar não mediou esforço para organizar e promover o campeonato de 2014. Com o apoio da prefeitura, buscou parceria com a Federação Estadual e patrocínio de empresários da região para aquisição de troféus, premiando as equipes campeã, vice-campeã e 3ª e 4ª colocada, medalhas para os atletas que se destacaram na competição.


“Queremos o resgate do futebol amador no município. Parabéns aos jogadores e torcedores do América pela festa da conquista de mais um campeonato. Parabéns a jovem equipe do Cruzeiro que também fez bonito no campeonato. Agradeço a participação de todos e o apoio da Federação Matogrossense de Futebol para realização de mais um campeonato em Poxoréu”, disse o esportista.

O BlogPox parabeniza o professor Ademar Mafra pela competência da organização de mais um campeonato amador, torcendo para que o próximo seja ainda melhor.



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 22h07
[] [envie esta mensagem] []



SOS LAGOA

Balneário Lagoa

A Comissão Independente Acorda Poxoréu, entidade não governamental criada em 21 de setembro passado, protocolou na Promotoria de Justiça representação assinada por quase 400 moradores da cidade solicitando providências quanto ao atraso e paralisação das obras do Balneário Lagoa.

Veja os termos do documento destinado ao Promotor de Justiça

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DR. ADRIANO ROBERTO ALVES – DD. PROMOTOR DE JUSTIÇA EM EXERCÍCIO NA COMARCA DE POXORÉU-MT

Os cidadãos de Poxoréu-MT, que esta subscrevem, vêm, respeitosamente à ínclita presença de V.Exª, com fulcro nos artigos 37 e 225 da Constituição da República e nas disposições da Lei n.º 7.347/85, LC 27/93 e Resolução n.º 27/2007- CNMP - Conselho Nacional do Ministério Público, expor e ao final requerer o que segue:

1. O Município de Poxoréu é berço de grandes políticos e pessoas ilustres no cenário Mato-Grossense, sua história está umbilicalmente ligada ao desenvolvimento de Mato Grosso. Foi o Município-Mãe de diversos outros Municípios circunvizinhos, contribuindo significativamente para o crescimento econômico, social e cultural do nosso Estado.

2. É uma terra rica em belezas naturais, mas, infelizmente, por seu passado e presente ligados ao extrativismo, viu seu patrimônio ambiental ser degradado ao longo dos anos, não tendo as autoridades adotado providências efetivas para que isso não ocorresse.

3. Com o declínio financeiro, fruto de gestões precárias e ineficientes, o Município - e a Comarca - foi perdendo muito do que havia conquistado durante os anos, de forma que hoje a Comarca possui uma estrutura mínima, que não consegue atender as suas necessidades.

4. A ineficiência na gestão administrativa permitiu ainda que diversas atividades antrópicas causassem danos ambientais de grande monta, registrando como exemplo, a atual situação do “Balneário Lagoa”, objeto específico desta reclamação.

5. O local, de beleza ímpar e muito aprazível, sempre foi um ponto turístico e área de lazer da população poxoreense, e que integra o patrimônio histórico, cultural e ambiental da cidade.

6. No entanto, por volta do ano de 2007, os gestores resolveram implantar um projeto de ampliação e reestruturação no local.

7. O projeto, convém salientar, é de duvidosa sustentabilidade ambiental, pois previa a impermeabilização de grande parte da área, com prejuízo, segundos alguns especialistas, às nascentes existentes no local e em afronta ao meio ambiente ecologicamente equilibrado.

8. Além disso, a pretendida reforma e ampliação, como previa o projeto, por motivos desconhecidos foi completamente paralisada, e o local hoje está abandonado, servindo de depósito de lixo, lodo e alvo de depredação, de modo que o dinheiro público aplicado corre sério risco de ser totalmente perdido.

9. A indignação da sociedade é que perdeu um local aprazível, que podia ser utilizado pelas famílias, e o sonho prometido se tornou uma quimera.

10. Ademais, o que causa espécie, e é digno de revolta, é que, segundo se infere apenas da uma pesquisa no “Porta de Transparência” do governo federal, recursos consideráveis já foram liberados para o projeto, - denominado “Estruturação e Ampliação do Balneário Lagoa” - conforme se extrai dos documentos ora anexados.

Ainda, segundo declarações prestadas à imprensa pela Secretária de Cidades do Estado, Márcia Glória Vandoni, o Estado ainda irá repassar, 3,6 milhões para a conclusão da obra.

Nestas condições, reunindo todas as informações sobre os convênios firmados para ampliação e reestruturação do Balneário Lagoa, conclui-se que seria desenvolvido da seguinte forma:

1ª ETAPA CONTRAPARTIDA DO MUNICÍPIO/MIN. TURISMO........R$ 1.267.500,00

2ª ETAPA CONTRAPARTIDA DO MUNICÍPIO/MINIST. TURISMO..R$.1.072.500,00

3ª ETAPA CONTRAPARTIDA DO ESTADO/MINIST. TURISMO..... R$ 3.592.105,26

Total,,,,,,,,,,,,,.,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,..................................................,,,,,R$ 5.932.105,26

Mesmo já tendo sido repassadas verbas consideráveis para conclusão do projeto, a OBRA CONTINUA PARALISADA E RELEGADA AO COMPLETO ABANDONO, causando indignação e revolta à população de Poxoréu.

11. Ante o exposto, requerem:

a) A instauração de inquérito civil, para ampla apuração dos fatos, notadamente com relação a eventual prática de atos de improbidade administrativa quanto à verba pública e de danos ao meio ambiente;

b) A determinação de realização de perícia, por equipe multidisciplinar do Ministério Público, - além de outras providências que entender cabíveis e necessárias, como presidente do inquérito - a fim de averiguar se é viável ambientalmente o projeto de “Estruturação e Ampliação do Balneário Lagoa”, adotando, na hipótese positiva, as medidas necessárias para a sua célere conclusão, tendo em vista os prejuízos já suportados pela comunidade, ou em caso contrário, que retorne ao “status quo ante”, buscando, dos responsáveis, a total reparação do dano.

Termos em que expõem e aguardam providências.

Poxoréu-MT., 23 de setembro de 2014

[O documento foi subscrito por quase 400 moradores de Poxoréu]



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 22h49
[] [envie esta mensagem] []



Gigantes de um Tempo

Escola Júlio Müller homenageia ex-diretores

No encerramento da comemoração de 87 anos da fundação, solenidade oficial realizada no dia 13 de setembro passado, a comunidade educacional da Escola Estadual "Coronel Júlio Müller" homenageou as diretoras e os diretores dos últimos 47 anos, período 1966 a 2013, Maria Thereza Morbeck Silva (1966-1970), [in memoriam, no ato representada pelos filhos Beto e Marly Morbeck], Lena Glória Varanda V. Guedes (1970-1971), Eunice Araújo Campos (1972-1976), Laurita Silva Xavier (1977-1978 e 1988), Ademilde de Oliveira Sousa (1979-1980 e 2008-2009) - foto acima -, Adjaime Ramos de Souza (1981-1984), Lourivaldo Correia da Silva (1984-1987), Joaquim Martins de S. Neto (1988-1989), Ademar Bispo de Araújo (1989-1992 e 1995-1996), Sizaltina do Carmo Macêdo (1992-1993 e 2006-2007), Alberto Alexandre Júnior (1993-1995), Marcos Mazzetto (1997-1998), Maura Rodrigues Silva e Silva (1999-2001), Antônio Lélis de Azevedo Rocha (2002), Dorani Cavalcante Neto (2003-2005) e Luzinei da Silva Oliveira Vilela (2010-2013).


Segundo a atual diretora, professora Suizi Ana Fernandes Xavier (gestão 2014/2015), visando resgatar a memória da escola e homenagear seus mestres, foi idealizado pela comunidade escolar o projeto "Líderes de Sociedade, Gigantes de um Tempo".


O projeto foi desenvolvido pelos educadores, demais profissionais da educação e alunos, que saíram a campo para pesquisar e entrevistar pessoas para escrever a biografia dos últimos 16 diretores da escola, estudo que retrata quase cinco décadas de história da escola. Na oportunidade também foi apresentada a biografia do patrono da escola, Coronel Júlio Müller, importante personagem da história mato-grossense.

Na noite de encerramento, com o cerimonial conduzido pelo professor e poeta Gaudêncio Amorim, houve apresentações culturais, músicas, entrega de troféus e a inauguração da galeria dos ex-diretores, simbolizando o reconhecimento dos alunos, ex-alunos, e dos profissionais da educação aos mestres que tanto contribuíram com o desenvolvimento educacional da pioneira escola.



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 21h15
[] [envie esta mensagem] []



Túnel do Tempo

Centro Juvenil

Aluizio, Chico Mandú, Ticão, Denivaldo, Ley, Bisa, Picheba, Ado, Lorinho, João do Bidó, Biscoito e
Azevaldo (Bimba)



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 22h23
[] [envie esta mensagem] []



Túnel do tempo

40 ANOS

Valfran Dos Anjos

 Quase sempre, costumo fazer uma revoada ao passado, recordando fatos e eventos que por qualquer motivo marcaram a minha existência.

 Hoje, repete-se a oportunidade para que eu faça nova viagem sentimental aos dias de ontem.

 E natural esse meu reencontro, vez ou outra com os tempos idos, esse regresso intermitente ou esse convívio interativo com o passado. Hoje quero me reportar ao capítulo do teatro existencial que iniciei a protagonizar, em 18/09/1974, como bancário em Poxoréu, no alvorecer dos sonhos inquietos e fugidios.

 40 anos! Depois de um longo e desafiador trajeto, é compreensível que eu me transporte, em revoada afetiva, aos caminhos que me trouxeram aos dias de hoje e os percorra com intensa ternura.

 O passado, mais uma vez, liberta-se das amarras que o prendem aos arquivos da existência, rompe as comportas que represam segmentos da travessia da já vencida, e os seus dias, adormecidos na distância do tempo, despertam suavemente em meu pensamento, ao som harmonioso de um toque surdina, como convém nos instantes de evocação e de saudade. Voltar passado, já se disse com extrema sabedoria, é renascer.

 Em 18/09/1974, me integrei ao corpo de bancários do BB, em Poxoréu (MT). Durante o trajeto, o tempo — sempre o tempo, eterno e incansável arquiteto da natureza, emérito e incorrigível, demolidor, que tudo atenua, subjuga e destrói, tanto que paralisa, extingue e sepulta a própria existência — me alçou à ribalta das travessuras e das travessias, até este momento em Bom Jesus de Cuiabá!

 E neste momento de reflexão, quero agradecer a todos os colegas que na época me acolheram no BB de Poxoréu (MT) e em Cuiabá (MT), e o faço na pessoa da sempre amiga, e prima por afinidade, Eliete Vieira, que deixou marcas indeléveis, de seu próprio punho, em minha carteira de trabalho.

 Para mim, Poxoréu foi e continua sendo uma espécie oásis fértil, palco das minhas mais significativas revoluções existenciais. Desafios indissociáveis ocorreram. Porém, como tantos outros nordestinos, cedo me habituei aos duros embates da travessia e cedo também aprendi que neles o pior, muitas vezes, o terror da derrota.

 Hoje, 40 anos, continuo a agradecer a todos e desejar ardentemente felicidade, uma felicidade feita essencialmente de paz interior!



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 21h47
[] [envie esta mensagem] []



Opinião: Adriano Maia

Poxoréu a beira do caos

Adriano Maia

O notável descaso do poder público em Poxoréu, e em conseguinte as constantes queixas feitas pela população poxorense nas ruas, praças, blogs, redes sociais, bem como as reportagens publicadas nos meios de comunicação da região, me fazem crer que estamos realmente à beira do caos. Creio assim, analisando tudo que acontecesse em nosso município, isso tendo a visão mais otimista possível, já que penso que estamos à beira do caos, pois a quem diga, e também não discordo, que o caos já está instalado em nossa querida Poxoréu.

 Analisando sumariamente, a realidade do nosso município, e tentando criar uma relação, não tão somente com o significado da palavra (caos), mais também com alguns sinônimos empregados de maneira contextual a ela, como: desarrumação, obscuridade, confusão, bagunça, desordem, atrapalhação entre outros, posso afirmar, de forma pertinente, que se não estamos nele (caos), a chegada ao mesmo está por um “fio”, afinal de contas, muitas das “ações” feitas pelo poder público estão fadadas sim, na desordem, na obscuridade, na confusão, ou seja, no verdadeiro caos.

 Dentro dessa análise, busco encontrar algumas causas para toda essa embrulhada, e não vejo outra justificativa a não ser atribuir os efeitos do caos municipal a alguns evidentes motivos que, talvez, “esclareça” tamanha desarrumação. E creio que sejam algumas das possíveis causas: a falta de competência, a falta de responsabilidade e, talvez, a falta de honestidade. É...a falta!!! E na falta de muito, consequentemente, se tem pouco. E por mais desesperançoso e trágico que seja afirmar, pode-se dizer que é galgado na ausência de valores como competência, responsabilidade e honestidade, que infelizmente a atual conjuntura política municipal (executivo/legislativo) vem agindo perante as necessidades da população, gerando assim toda essa balbúrdia que todos estamos presenciando.

 Pois bem, depois de criada essa relação entre significado e realidade, observo que o caos que impera em nosso município está arraigado na ausência, ou como dito anteriormente, na falta. Assim, deixando um pouco os substantivos abstratos (competência, organização, planejamento, responsabilidade e etc.) que complementam as ausências na gestão municipal, vale também citar mesmo que seja notório, o que falta de concreto a população poxorense, então vejam: falta iluminação pública, faltam ruas limpas, falta policiamento, faltam estruturas prediais para desenvolvimento de atividades esportivas/culturais e de lazer, faltam medicamentos e equipamentos básicos nos postos de saúde, faltam ruas trafegáveis...falta o básico.

 Em virtude desses caóticos acontecimentos, há rumores de que surge um singelo despertar no legislativo, alguns vereadores já estão se sentindo, segundo eles, envergonhados com a situação atual. E diante de tamanho descaso, estão inclusive perguntando, onde foram empregados os R$ 18.000.000,00 arrecadados anteriormente, tendo em vista que falta um pouco de tudo em nosso município. Pena que o legislativo se contenta em somente questionar as descompensadas ações do executivo, e não cumprem com o dever constitucional que lhes é atribuído. Assim, a maioria dos que lá se fazem “presente” estão “a ver navios” tornando-os cada vez mais responsáveis pelo município se encontrar em tão desesperada situação.

 Portando, diante de tanto descaso espera-se que após o período eleitoral, já que agora também é “inviável” esperar algo, pois agora além das demais ausências, agora também falta tempo aos políticos poxorenses. Tendo em vista que os mesmos então em processo de bajulação, manipulação e por que não, enganação eleitoral, junto com alguns que pouco contribuem ou contribuíram com nosso município. Contudo, cabe a nós cidadãos continuarmos cobrando atitudes contundentes de nossos representantes e que, mesmo que seja pouco esperançoso pensar, possamos sair e/ou não afundarmos de vez no tão desolador e eminente caos.



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 21h34
[] [envie esta mensagem] []



Resultado de Licitação

PREFEITURA DE POXORÉU

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO/LICITAÇÃO

AVISO DE RESULTADO DE LICITAÇÃO

MODALIDADE: PREGÃO PRESENCIAL 028/2014

REGISTRO DE PREÇOS 019/2014

Tipo: Menor Preço por Item

A Prefeitura Municipal de Poxoréu-MT, torna-se publico aos interessados que no PREGÃO PRESENCIAL 028/2014 Registro de Preço n° 019/2014, tendo como objeto por Objeto Aquisição Futura De Gêneros Alimentícios Para Atender as Escolas Municipais da Educação Infantil e Fundamental, e Para os Programas Educacionais, cuja a abertura ocorreu as oito horas, do dia 15 de setembro de 2014, na sede da Prefeitura Municipal de Poxoréu, situada à Av. Brasília, 809, Jardim das Américas, Poxoréu-MT.

 Sagrou-se vencedora da presente licitação a seguinte Empresa:

 1 – MERCADO CRUZEIRO LTDA , inscrita no CNPJ n°18.415.502/0001-49, situada à Av. Brigadeiro Eduardo Gomes, n° 01, Bairro Vila Cruzeiro, na cidade de Poxoréu-MT

O valor Total Global é de R$ 386.375,00 (trezentos e oitenta e seis mil trezentos e setenta e cinco reais).

Sala de Licitações da Prefeitura Municipal de Poxoréu, 15 de setembro de 2014.



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 22h03
[] [envie esta mensagem] []



Sentimento

VERGONHA DO VEREADOR

Ruy Nogueira Barbosa

Ao ler a nota referente à “vergonha que o nobre vereador está passando, me coloquei a pensar sobre o “sentimento vergonha.

Não me contentei com o pouco que até então achava que sabia eu sobre este sentimento, assim, fiz uma rápida e superficial pesquisa, onde tropecei em asseverações que equiparam a vergonha como a consciência de desonra e do ridículo, e também como sentimento de diminuição da dignidade humana.

De acordo com os estudiosos desta temática, o sentimento de vergonha tem origem no ato ou fato de “eu me fazer objeto do olhar”, ou seja, por vezes, sou parte ou motivo daquilo que me envergonha, logo, vergonha e culpa” são irmãs siamesas.

Especialmente nas culturas asiáticas, China e Japão por exemplo, estas são consideradas culturas da vergonha, tanto que quando experimentado a sensação da “vergonha, dependendo da intensidade e motivação, ter-se-ia motivos até para o suicídio (hara-kiri), o qual se tratava de uma maneira honrosa de sair de uma vida de vergonha, ou seja, a “vergonha estabelecia limites, tanto que em 28.05.2007, o então O ministro da Agricultura, Florestas e Pesca do Japão, Toshikatsu Matsuoka, envolvido em um escândalo por suposta malversação de fundos públicos, suicidou-se, levando o premier a manifestar publicamente que estava "comovido e muito envergonhado".

Convicto sou de que o tais atitudes são o extremo do inimaginável para nossa cultura e momento da civilização. Entretanto, aí me surge a pergunta: Somente ter vergonha e dizer que a tem, suficiente é para resolver??????

A resposta me vem na intensidade de uma pisada de elefante – NÃO DEFINITIVAMENTE NÃO. Posto que somente a “vergonhasem atitudes é o mesmo que um risco na água, onde ambos não produzem resultados, portanto senhor Vereador, honre o posto que ocupa não tenha vergonha, não se esqueça que a honra é a opinião que os outros têm sobre o valor pessoal, e a ausência de honra é a vergonha.

Considerando que a honra tem um caráter puramente ativo, inerente ao “EU”, e está fundada em ações próprias, e não em ações de outros ou em fatos exteriores; é, portanto, parte daquilo que depende de vós.

Senhor vereador!!!! a honra do cargo é a opinião geral que pesa sobre aquele que deve cumprir estritamente as obrigações, exigindo do ocupante integral respeito à causa realizado através do rígido cumprimento de seus deveres e também pelo fato de nunca deixar impune nenhum ataque contra o posto, enquanto funcionário; em outras palavras, não permita que se diga que Vossa Excelência não cumpre os deveres de seu cargo ou que seu exercício não tem qualquer utilidade para o município e seus munícipes.

A situação que a população e a cidade se encontram, perfeitamente amoldam-se no quadro narrado em Salmos Capítulo 35, versículo 26, qual seja “humilhados e frustrados, posto há uns se divertindo à custa do sofrimento coletivo, chegando a hora destes se cobrirem de vergonha e desonra, posto que que se acham superiores”.

Portanto, nobre Vereador, somente com o efetivo exercício dos poderes e deveres do cargo em prol da população, é que terão os Senhores honra, glória e respeito. Enquanto isto não ocorrer, vão passar vergonha.



Escrito por autor acima[poxoreu@uol.com.br às 21h10
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


Histórico
    Outros sites
    BLOG POXORÉU Nov/2010 a Ago/2012
    BLOG POXORÉU Fev/2005 a Out/2010
    TCE PRESTAÇÃO de CONTAS Poxoréu
    Blog Centro Juvenil
    Blog da UPE
    Aulas Grátis
    Aulas Grátis II
    Cursos Grátis
    BlogPox no Facebook
    Vídeo Aurélio Miranda
    Previsão do Tempo - Poxoréu
    Vídeos dos Encontros de Violeiros Poxoréu